terça-feira, 3 de agosto de 2010

"Não me venha com meios-termos, com mais ou menos ou qualquer coisa. Venha à mim com corpo, alma, vísceras, tripas e falta de ar"



 ( Caio Fernando Abreu)

sábado, 24 de julho de 2010

sexta-feira, 23 de julho de 2010

" Do nada em mim o amor fez o infinito" 

( Vinicius de Moraes)

quinta-feira, 22 de julho de 2010

It's the last chance to feel again

Rio de Janeiro, 21 de julho de 2010.
Ontem foi dia do amigo. Eu e vs estávamos em perfeita sintonia, usufruindo do nosso perfeito relacionamento. Nesse mesmo dia, descubro que vs está mentindo pra mim ou, pelo menos, estava. E então, no final do dia, me pego pensando em tudo o que nós passamos e por que estamos assim hoje: tão distantes. Me peguei pensando em como era a nossa amizade, antes de tudo isso acontecer. Lembra que todos os dias nós nos falávamos? Lembra que ficávamos cantando, que nem uns loucos, virtualmente? Bom, eu lembro. Lembra que ficávamos falando muita merda? Lembra daquele questionário que nós fizemos, um para o outro? Bom, eu lembro. E nesse dia, depois de lembrar tudo isso, percebi que uma lágrima solitária escorria pelo meu rosto sorridente. E então, começo a lembrar de como começou essa crise. Isso tudo por causa de uma garota. Isso tudo porque eu tenho um ciúme monstruoso de vs. Isso tudo porque eu só quero te proteger. Lembra da nossa primeira discussão? Foi no dia 1 de fevereiro. Sim, eu lembro. Lembra daquele dia que vs me contou que estava com ela? Eu lembro perfeitamente da minha reação. Mas não pense que é disso que eu lembro todos os dias. Vez em quando ouço a sua voz. Lembro que um dia marcamos que, quando formos maiores de idade, iremos naquela festa sensacional. E sempre, pra lembrar do seu jeito, eu leio suas mensagens: reclamando dos meus sonhos, dividindo comigo às 09:29 da manhã um nascer do sol, dividindo também a felicidade de me ver como aluna do (nosso grande e maravilhoso) CP2, brincando, me desejando boa sorte. E depois de lembrar isso tudo, vejo que estava gargalhando e chorando, implorando silenciosamente a Deus que tudo volte a ser como era antes. Hoje, depois de conversar com vs, vi que estamos bem longe de voltar a aquilo tudo. E agora, fico me perguntando: quais conclusões vs tirou da nossa discussão? Será que vs concluiu que não valia mais a pena? Será que vs concluiu que é melhor não se estressar mais? Eu tenho medo de ter acabado, mais uma vez, com uma amizade. Eu não poderia (e nem posso) dizer que essa é uma amizade qualquer. Nunca tive um relacionamento assim, tão intenso. E eu tenho medo de perder tudo isso por causa das minhas conclusões precipitadas. Não sei o que acontece comigo. Desculpa se estou te traindo. Esses quatro anos (ou quase), sim, significam muito pra mim. Mas, como vs sabe, eu não quero mais discutir com vs, eu não quero mais me estressar. Se vs acha que é melhor desistir, eu entendo e aceito. Espero que tudo que passamos, realmente, valha algo pra vs. Espero ficar bem com vs. Não apenas um dia. Espero ficar bem com vs pra vida toda. Aguardo sua resposta.

P.S.: Espero ter feito vs chorar. Ou, pelo menos, ter feito vs ficar bobo.

Leticia.

(Texto feito por mim.)

You just call out my name

terça-feira, 20 de julho de 2010

"Prezo muito minhas amizades e reservo sempre um canto no
meu peito para elas.
E sempre que surge a ocasião, também não perco a oportunidade de
dar um amigo a um amigo, da mesma forma que eu ganhei você.
E não adiantam as despedidas...
De um amigo ninguém se livra fácil.
A amizade além de contagiosa é totalmente incurável".
 
 
(Vinícius de Moraes) 
 
 
Dos poucos amigos que tenho, fico lisonjeada de receber tanto carinho deles. Tenho saudades deles - seja morando em outro país, ou na esquina vizinha. E sempre me dá aquele aperto no coração quando lembro que estão longe. É, não tenho mais o que escrever. Fica aqui o meu recado que não pude dar a muitos pessoalmente.

Desejo que você tenha a quem amar

segunda-feira, 19 de julho de 2010

"Ela acreditava em anjos 

...E porque acreditava, eles existiam."

( Clarice Lispector)

Life goes easy on me, most of the time

domingo, 18 de julho de 2010


"Para mim, atualmente, companheirismo e lealdade são meio sinônimos de felicidade. Meus amigos são muito fortes e muito profundos, são amigos de fé, para quem eu posso telefonar às cinco da manhã e dizer: olha, estou querendo me matar, o que eu faço? Eles me dão liberdade para isso, não tenho relações rápidas, quer dizer, tenho porque todo mundo tem, mas procuro sempre aprofundar. E isso é felicidade, você poder contar com os outros, se sentir cuidado, protegido. Dei esse exemplo meio barra pesada de me matar....esquece, posso ligar para ver o nascer do sol no Ibirapuera às cinco da manhã. Já fiz isso, inclusive."


( Caio Fernando Abreu )




Post dedicado ao meu melhor amigo, Diego. Obrigada por nunca desistir e nunca desacreditar da nossa amizade. Nunca tive um relacionamento tão intenso, tão verdadeiro como esse.Obrigada mesmo.

Não sei não, eu vou me apaixonar


"Quando partiu, levava as mãos no bolso, a cabeça erguida. Não olhava para trás, porque olhar para trás era uma maneira de ficar num pedaço qualquer para partir incompleto, ficado em meio para trás. Não olhava, pois, e, pois não ficava. Completo, partiu. "


(Caio Fernando Abreu, sempre)

sábado, 17 de julho de 2010